fev 23

Heraldo Bighetti Gonçalves

E a vida continua, ou como alertava o título de um anúncio de cemitério: “Quem é vivo sempre aparece”. Infelizmente, essa verdade acaba de ser comprovada por mais um desses eventos que parecem impossíveis de acontecer. Lembram-se de quando citamos a publicidade feita pela Gilette dos homens pré-históricos?

– Claro que eu lembro – riu baixinho, Esmeralda.

Psy, Sabrina Sato e as gêmeas Bia e Branca, fizeram no carnaval uma entusiasmada releitura da inolvidável peça do cancioneiro mundial “Gangnam Style”, desafiando os homens a raspar os pelos do corpo. Pois uns quatorze Cro-Magnon revoltaram-se contra a ação feita pela empresa no carnaval. E o Conar abriu processo para avaliação.

Nelson Rodrigues deve estar escrevendo, lá onde estiver – pois dizia que não ia para o inferno, mas também não tinha asas – o livro “A vida como ela é século XXI”.

– Se me permite – intercedeu Esmeralda – acho que ele não iria perder sua eternidade nisso.

Quase caí da cadeira. – Esmeralda, você leu Nélson Rodrigues?

– Alguma coisa – desconversou, enquanto fazia uma retirada estratégica.

Vamos voltar aos peludos e pensar qual a representatividade desses indivíduos. Foram quinze, quatorze homens peludos (e uma mulher que não sabemos como se comporta). Até que para uma mudança de hábito, foram poucos os revoltosos. No fenômeno probabilístico da Cauda Longa, ele estaria bem próxima da ponta da cauda. Ou seja, a poucos passos da nulidade.

– Hummm! Isso não tá cheirando bem – exclamou Esmeralda. Um cheiro de alho invadiu a sala acompanhando-a.

– Por que, Esmeralda?  É o politicamente correto atacando novamente. Veio pela Internet e o Conar ajudou a criar o fato. A imprensa divulgou e pronto, tem um monte de gente comentando.

– É por isso que estou desconfiada. Se o tal do Conar não falasse nada, ninguém iria ficar sabendo?

– Claro que não, Esmeralda. A revista que deu a notícia nem iria saber. E foi ela que gerou mais notícias que geraram o buxixo todo.

– E quem pagou tudo isso? perguntou, franzindo o cenho.

– Ora… ninguém.

– Hummmm. Vou abri minha agência já.

Entendi onde Esmeralda queria chegar. Esse tipo de manobra tem até nome. Mas o dia foi passando e continuo a não ter vontade de me depilar. Será que isso significa que sou pré-histórico? O Ronnie Von responderia rapidamente: Significa!

Se você não entendeu o que o Ronnie Von tem a ver com isso, possivelmente não entendeu o comercial da Pepsi.

Sabe o que você, se tiver tempo é claro, vai fazer? Vai colocar no Google Ronnie Von e Significa. Instantaneamente surgirão atalhos para o vídeo postado no Youtube em 2003. Após assistir você entenderá o sentido do comercial atual. E verá que os criativos chegaram ao requinte de criar uma ideia sobre um repertório inexistente. E, em paralelo, criar o repertório para que se entenda aquilo que a publicidade mostra.

– Já tenho meu primeiro cliente, meu primeiro cliente, meu primeiro cliente. Ô, ô!

Nunca vi Esmeralda tão exultante. Nizan fazia um grande esforço para manter-se no ombro.

– É mesmo. Qual é a empresa? Perguntei desconfiado. Ri interiormente pensando na P&G contratando Esmeralda para fazer uma nova campanha dos peludos.

– O açougue do seu José – respondeu ela com orgulho – e estou bolando com Nizan o primeiro reclame: Para diminuir sua despesa, corte na carne. Açougue Boi Feliz. – Boi Feliz. Boi Feliz – repetia Nizan todo arrepiado.

Hoje, quando acordei, sabia que alguma coisa grande esperava atrás da porta para me abater com sua imensa realidade.  – O que você entende de propaganda, Esmeralda. É uma coisa muito complexa que envolve gente especialista, criatividade e dinheiro.

– Ahhhh!!!  E o que é que eu faço aqui pra tocar a casa?

written by Leonardo Trevisan


Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.